240 – Calafrio (1971)

2835

Willard 

1971 / EUA / 95 min / Direção: Daniel Mann / Roteiro: Gilbert Ralston (baseado na obra de Stephen Gilbert) / Produção: Mort Briskin, Charles A. Pratt (Produtor Executivo) / Elenco: Bruce Davison, Sondra Locke, Elsa Lanchester, Michael Dante, Jody Gilbert, Ernest Borgnine

 

Sabe A Vingança de Willard, certo? Aquele filme com o Crispin Glover, que fez até relativo sucesso no Brasil, onde um garoto deslocado socialmente, tímido e que é feito de gato e sapato pelo patrão faz amizade com ratos? Pois bem, Calafrio é a versão original desse filme, de 1971, dirigido por Daniel Mann.

Baseado no livro do obscuro irlandês Stephen Gilbert, The Ratman’s Notebook, a base da história é a mesma se você conhece a versão mais recente: Willard Stiles (aqui interpretado por um novo Bruce Davidson, o Senador Robert Kelly do primeiro filmes dos X-Men e o Dr. Stegman de Kingdom Hospital, aquela série do Stephen King) perdeu o pai muito novo, e teve que cuidar de um casarão caindo aos pedaços e de sua velha e decrépita mãe esclerosada (vivida por Elsa Lanchester, a eterna noiva do monstro de Frankenstein do clássico da Universal). Como se isso não bastasse, o sócio de seu pai, o Sr. Martin (Ernest Borgnine) ficou com a fábrica que deveria ser sua e o trata como lixo no trabalho, exercendo todo tipo de assédio moral possível e imaginável em uma empresa.

Com essa vidinha social, profissional e familiar miserável, Willard faz amizade com um bando de asquerosos ratos que aparecem em seu jardim, dando-lhes casa, comida e treinamento, tendo neles os únicos amigos que já teve em toda sua vida. Entre os roedores, dois merecem destaque e atenção especial: o fofo e inteligente ratinho branco Sócrates e a perversa, violenta e maligna ratazana Ben (aquela mesmo da música do Michael Jackson, mas ainda vou chegar nesse post futuramente).

Enfim, como o que está ruim sempre pode piorar, a Sra. Stiles morre e então o Sr. Martin se vê dispensado da promessa de manter sempre o pobre Willard empregado, e resolve mandá-lo embora. Fora isso, também quer comprar a casa do infeliz e despejá-lo, já que a mãe deixou uma hipoteca gigantesca para vencer e Willard não teria como continuar sustentando a casa. Só que antes disso, um dos passatempos do fracassado era levar os ratinhos para seu trabalho, até que um dia, Sócrates é encontrado no almoxarifado e matado a pauladas pelo Sr. Martin, coisa que QUALQUER UM FARIA COM UM RATO EM SUA EMPRESA OU RESIDÊNCIA!!!!

Ataque! Ataque!
Como roer o seu chefe

Willard não pode fazer nada para salvar o amiguinho (pois se dissesse que o rato era seu brother, ia ser internado em um hospício!!!) e assiste a violência contra o roedor, assim como Ben. A amizade entre Ben e Willard então vai para as cuias, pois até o rato considera-o um covarde, e Ben fitando-o com raiva (sim, fitando-o com raiva, o rato ATUA) promete que o pior está por vir, deixando aflorar seu lado maligno e tornando-se violento e fora de controle.

Ao mesmo tempo, o saco de pancada Willard, agora já psicótico, usará seu exército de ratos para se vingar do patrão abusivo. Mas até que o cara merece um desconto, né? Ele foi criado a vida inteira por velhas nefastas, bebendo leite com pera e “ovomaltino”, sempre infantilizado por elas (veja só a cena de aniversário de 27 anos do rapaz, com direito a vela, bolo, chapeuzinho e línguas de sogra), recluso socialmente, com um emprego enfadonho e nenhum ou pouquíssimo contato com garotas (apenas vai ficar semi-apaixonado por Joan, interpretada por Sandro Locke, temporária que Sr. Martin contratou só para ajudá-lo a organizar suas atividades diárias no escritório). Só que pesa contra Willard o fato dele ser boçal, tímido, sem traquejo social e muitas das vezes, incompetente no trabalho (atrasando-se, não entregando relatórios e pedidos no prazo, e por aí vai). Então não dá muito para ficar do lado do cara também.

É aí que o instinto maligno do sujeito aflora e ele usará seu exército de ratos para se vingar do patrão abusivo, em uma cena daquelas antológicas do cinema de horror. Após a sensação de dever cumprido, Willard tenta matar todos os ratos afogados no jardim, mas Ben sobrevive, o que faz com que Willard novamente tente matá-lo, envenenando sua comida. Mas como ele é um rato acima da média, inteligentíssimo e psicopata também, Ben comanda um exército das pragas para atacar Willard e se vingar da desfeita. Daí é pano para manga para a continuação lançada no ano seguinte, Ben – O Rato Assassino.

Calafrio é um daqueles filmes que vira e mexe passava em reprises infinitas nas madrugadas da televisão aberta. E enquanto a maioria de filmes com animais são difíceis de roer (tá, desculpem o trocadilho infame), este daqui é um dos melhores exemplares do gênero, exatamente por trabalhar o lado psicológico do protagonista e como o ambiente a sua volta o afeta, e fora as atuações de Davidson e do imortal Borgnine e suas calças vermelhas de poliéster. Mas sem dúvida nenhuma, os astros do filme são mesmo os ratos.

Ratinho-o-o-o-o.
Ratinho-o-o-o-o.

Serviço de utilidade pública:

O DVD de Calafrio não foi lançado no Brasil.

Download: Torrent + legenda aqui.

7 comentários Adicione o seu

  1. Allan disse:

    Olá! Só para avisar, está sem o torrent no arquivo.
    Mas parabéns pelo site, muito bom.
    Valeu!

    1. Oooops… Falha nossa!

      Já reupei agora com o torrent.

      Obrigado por avisar Allan, e obrigado pelo elogio!

      Abs

      Marcos

  2. Tiago disse:

    Parabéns pelo site.
    Muita coisa boa aqui. Valeu

    1. Muitíssimo obrigado, Tiago!!! Fico feliz que você curte!

      Abs

      Marcos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s