Espirais por todo o canto! – Parte 01

Resenha do primeiro capítulo do mangá Uzumaki – Volume I e II


É indiscutível que o J-horror representa um forte cenário para os filmes de terror, principalmente para nós, brasileiros, que consumimos muito a produção artística japonesa. Isso pelo reflexo do “BOOM” dos animes na década de 90 (Dragon Ball Z, Cavaleiros do Zodíaco, entre outros – SDDS), impulsionados pelos canais abertos.

Pois bem, mas não é só no cinema ou anime que o Japão consegue exprimir toda sua estilística. E isso também ocorre quando se trata de terror. Há algum tempo circulou uma lista com mangás “bizarros” japoneses no Buzzfeed, e diante disso decidi conferi-la. Eis que encontro Uzumaki, que foi lançado em 1998 pelo mangaká, Junji Ito em três volumes, e mais tarde, adaptado para o cinema em um filme homônio.

Seguimos a história de Kirie Goshima, uma colegial, e seu namorado Suichi que observam as relações compulsórias e obsessivas dos habitantes pelas figuras de espirais, daí o título do mangá.

uzumaki-1136539

Primeiramente, os traços são extremamente sóbrios e bem-feitos. Uma dedicatória especial quando o mangá enfoca nas figuras espirais encontrados na natureza ou em moldes humanos. Este texto irá avaliar o primeiro volume do mangá. Mas antes disto, é interessante notarmos que muitas obras de cunho mais “bizarro” apresentam fiel público, na maioria dos casos, não por serem bons, mas apenas por serem, hã, bizarros. Afinal, quando você, leitor, ouviu alguém dizer que Saló era um filme bom ao invés de possuir coprofagia? Dito isto, julgar a obra pelo simples fato de ser estranha pode ser um tanto quanto presunçoso. Toda via, nós, meros ocidentais, encontraremos e encontramos dificuldade para analisar uma obra oriental a fundo, uma vez que nossas culturas, tradições, rituais, língua e práticas do dia-a-dia são diferentes.

O Volume Um é dividido em seis capítulos que se interligam rasamente, apresentando deste modo uma história diferente à outra. Resenharei cada capitulo separadamente, aqui em uma série de artigos para o 101 Horror Movies.

CAPÍTULO 1 E 2: A OBSESSÃO POR ESPIRAIS, PARTE I E II:

No primeiro e segundo capitulo da obra de Junji Ito, temos além das apresentações dos personagens, um enfoque na família de Suichi. Um fato recorrente no mangá é a presença de minitornados na cidade que obviamente remetem a espirais. O primeiro volume enfoca no pai de Suichi que inicia paulatinamente sua devoção bizarra as formas espiraladas.

Apesar de começar com a sua bizarrice mais comedida, é incrível como o mangaká consegue transpor a demência nos olhares do pai de Suichi em suas atitudes. Beirando o assustador! A insanidade se inicia com o pai de Suichi, o Sr Goshima, analisando as representações em espirais encontradas na natureza. E como todo bom maníaco colecionador, Goshima começa a acumular objetos feitos de espiral.

uzumakiv01-c001_030

Conforme o mangá segue, mais e mais bizarrices ocorrem, vai por mim. Destaque para a linda página em que o Senhor Goshima revira os olhos em forma de espiral!

O segundo capítulo da história é conectado com o primeiro. Apresentando uma dicotomia entre o fato do senhor Goshima amar os espirais, enquanto sua esposa os odeia e os teme. O medo da senhora Goshima é tamanho, que raspa a cabeça para não ter espirais no cabelo e corta os polegares com uma tesoura por causa das digitais!

O segundo volume, para mim é inferior ao primeiro. Porém nele apresenta uma problemática que é o misterioso lago da cidade, que por algum motivo tem uma ligação com os espirais. É interessante notar que o senhor Goshima não refere-se aos espirais no plural, mas sim ao espiral, sendo assim, um título ou uma entidade. O segundo volume não tem muito o que discutir, sendo o mais fraco entre eles.

Infelizmente o mangá, lançado pela Conrad, está fora de catálogo. Mas é facilmente achado na internet e altamente recomendável.

02